Diversidade e complementariedade de conteúdo, experiência e pontos de vista. Este foi o ponto de partida para uma das inovações da 2ª edição do “Logística do futuro”: convidamos 8 especialistas/executivos de mercado para mediar as sessões do evento e colaborar com a construção da agenda.

Uma de nossas convidadas é Magali Aquino, atualmente Gerente de Operações Digitais do Grupo Big, com passagens anteriores por multinacionais e start-ups, tem MBA pela FGV no Brasil e especialização em Logistics, Materials, and Supply Chain Management pelo MIT/USA.

A logística do futuro é caracterizada pela flexibilidade para prosperar frente a volatilidade, só que precisa de investimento em tecnologia e ativos, para ser resiliente, e de inteligência, para reagir ante diversos cenários. Dito isso, a logística do futuro precisa ser colaborativa para ser eficiente entre empresa, governo e universidade.” Magali Aquino, Gerente de Operações Digitais do Grupo Big

O tema resiliência e responsividade das cadeias está na agenda, crítico em momentos de crise e também para garantir recuperação segura e sustentável no tempo. Neste sentido, analisar a infraestrutura nacional, o recém-lançado Plano Nacional de Logística 2035 do governo federal e as questões de conectividade tem urgência. Pedro Moreira, presidente da ABRALOG, é também nosso convidado não apenas para aportar uma visão crítica e ampla do setor, mas também para mostrar caminhos possíveis de construção de uma logística nacional mais eficiente a muitas mãos, incluindo empresas, associações e entes públicos.

Flavio Amaral, head logística Getnet, com passagens por Natura, Ambev e AGV Logística, destaca a relevância da tecnologia na preparação e construção da logística do futuro. Atuando em todo território nacional com uma distribuição capilar e excelente, vê desafios na integração das cadeias, na busca por operações colaborativas e no contínuo aumento do nível de serviço sem escalar custos.

O exponencial crescimento de aplicabilidade de soluções pontuais múltiplas (a partir de uso constante de dados e tecnologia) em prol do atendimento do cliente criará uma grande plataforma de soluções”, Flavio Amaral, head logística, Getnet

Pensar criticamente como estamos utilizando e desenvolvendo as tecnologias para nos preparar para logística do futuro é também tema de sessão da agenda. A ampla oferta de novas soluções, o desafio de diferenciar e selecionar aquelas mais adequadas a sua necessidade e objetivos estratégicos e o assertivo planejamento para excelência na implementação são pontos que estarão no debate.

E tecnologia é o que vive e respira Aline Salles, head VTEX VAS Logistics, Customer Care and Solutions na VTEX. Acumulando experiência em empresas como Natura, Máquina de Vendas e Walmart, a Aline está muito próxima dos inúmeros negócios digitais, dos mais diferentes portes, suportando com soluções tecnológicas que buscam sempre gerar valor para as empresas atendidas e seus clientes.

O tema de tecnologia é amplo, incluindo também desafios de capacitação e atualização dos profissionais, questões regulatórias como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e cultura das empresas e liderança neste campo de inovação. Achiles Rodrigues, hoje consultor sênior na Moby Consulting, soma ampla experiência em empresas como Raizen, General Mills e BP (British Petroleum), destaca o tripé tecnologia, processo e pessoas para garantir operações mais eficientes.

A logística previu o futuro e decidiu viver lá!“, Achiles Rodrigues, consultor sênior, Moby Consulting

Outro tema também relevante para a atual situação de crise nacional e necessidade de busca de caminhos e alternativas, a colaboração entre os atores da logística, como empresas, poder público, universidades e start-ups, é crítica para ganho de eficiência e nível de serviço. Fernando Zingler, diretor do Instituto Paulista do Transporte de Cargas (IPTC/SETECESP), atua intensa e diretamente nesta conexão de valor entre estes diferentes atores. Com mestrado em transportes na New York University, tendo inclusive atuado junto ao departamento de trânsito da cidade de Nova Iorque, Fernando faz pesquisa, engaja conexões e estimula inovação, pontos que estão na agenda do evento.

Outra executiva convida é a Mariana Resende, gerente de logística na multinacional Saint Gobain. Atuando em projetos de inovação, traz ao grupo e ao evento experiência prática de conexão de grande empresa com start-up, além de clareza sobre desafios e oportunidades deste tipo de aproximação.

Finalmente, fechando o time de mediadores convidados, Vinicius Picanço, professor do Insper nas áreas de Operações e Logística, mostra a importância – e urgência – de conectar conhecimento acadêmico com experiência prática, criando soluções não triviais para problemas cada vez mais complexos.

“A Logística do Futuro é reconhecida como elemento estratégico vital pelas empresas, governos e sociedade civil ao gerar e transformar dados de alta qualidade em operações mais confiáveis e sustentáveis. A perspectiva sistêmica da atuação logística contribui para a construção de uma realidade que respeite os limites sociais e ambientais do planeta, promovendo o desenvolvimento nas mais diferentes geografias e culturas”, Vinicius Picanço, professor Insper

A 2ª edição do evento Logística do Futuro terá uma agenda de conteúdo diversa, atual, com debates profundo e muita análise crítica de grandes nomes da logística nacional para suportar gestores, empreendedores e especialistas a construção de uma logística mais eficiente, mais conectada e mais sustentável.